segunda-feira, 15 de outubro de 2012


Douro, maduro Douro


Os contornos das vinhas adoçam-me
a geometria do olhar:

não sei se da prenhez das uvas,
se da pujança dos bagos,
se da promessa dos vinhos,

a luz que me cobre o Douro
descobre-me a atravessar
o calvário do tempo maduro

que os contornos das vinhas adoçam
na liquidez do olhar.

2 comentários:

  1. Muito interessante o Blog !
    Muito difícil encontrar na “ blogosfera “ espaços originais e bacanas como este !
    Deixo aqui meu espaço, caso queria dar uma olhada, seguir...

    http://www.bolgdoano.blogspot.com.br/

    Muito Obrigada, desde já !

    ResponderEliminar
  2. A tua poesia encantou-me.
    Parabéns pelo talento que as tuas palavras revelam.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar